segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Unidade de Saúde Familiar de Pinhal Novo com cofinanciamento aprovado


A candidatura para cofinanciamento do projeto e obra de construção da Unidade de Saúde Familiar de Pinhal Novo, no âmbito do Portugal 2020, submetida pela Câmara Municipal de Palmela foi aprovada na passada semana.
Trata-se de uma obra da responsabilidade da Administração Central que o Município está a promover, no seguimento do protocolo celebrado com o Ministério da Saúde/Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Recorde-se que o Município cedeu, ainda, o terreno para construção, localizado na Rua Manuel Veríssimo da Silva e com uma área de 3 mil metros quadrados. Com a execução do projeto e da obra, a cedência do terreno e a apresentação da candidatura, agora aprovada, o Município está a potenciar a concretização deste investimento, necessário e há muito reivindicado.
A Unidade de Saúde Familiar de Pinhal Novo, de tipo 4, tem 810 metrosquadrados de área bruta de construção, está dimensionada para cerca de 15.200 utentes e albergará 10 gabinetes médicos, 3 gabinetes de enfermagem, 2 salas de tratamentos, áreas de atendimento, instalações de apoio aos utentes e áreas de trabalho e apoio ao funcionamento.
O projeto tem o valor de 30.750 euros e a obra está estimada em cerca de 1.250.000 euros.

Antiga Escola vai ser Centro Comunitário da Carregueira


A Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, na reunião pública descentralizada de 18 de janeiro, o contrato de comodato a celebrar entre o Município, a Junta de Freguesia de Pinhal Novo, o Círio da Carregueira e a Associação Juvenil “Os INdiferentes”.
O futuro Centro Comunitário funcionará como sede destas associações, que atualmente não possuem um espaço próprio, garantindo as condições necessárias para se assumir como um pólo dinamizador da comunidade local.
De acordo com o protocolo, as associações comodatárias vão  utilizar o espaço, cedido a título gratuito pela autarquia, para o desenvolvimento de iniciativas culturais e desportivas como são exemplo: caminhadas, passeios, mostras culturais, torneios desportivos, aulas de pintura e de linguagem gestual.

Município e Associação de Amigos Juntos pela ONG estabelecem Protocolo de Cooperação para utilização da Cave




A Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, na reunião pública descentralizada de 18 de janeiro, a  proposta de Protocolo de Cooperação entre o Município e a Associação de Amigos Juntos pela orquestra Nova de Guitarras, para cedência gratuita e utilização da CAVE – Sala de Ensaios (CRJ de Pinhal Novo), no edifício do Mercado Municipal de Pinhal Novo, com vista ao desenvolvimento regular de atividades.
À autarquia cabe, entre outras obrigações, acompanhar as atividades e suportar os encargos decorrentes do normal funcionamento  do espaço, nomeadamente, limpeza, consumos de água, eletricidade, elevador e sistemas de alarmes. Por outro lado, a Orquestra Nova de Guitarras compromete-se, entre outras obrigações, a envolver a comunidade educativa local, realizando projetos musicais com as crianças, adolescentes, educadores e seniores, dinamizando este importante espaço municipal.
Este Protocolo surge no âmbito da politica municipal de apoio à juventude.

Museu da Música Mecânica Protocolo com o Município permite acesso em condições vantajosas




A Câmara Municipal de Palmela e o Museu da Música Mecânica, celebraram no dia 20 de janeiro, um Protocolo de Colaboração com o objetivo de dinamizar aquele importante espólio junto da comunidade local e da região, nomeadamente,  através de grupos organizados através do Serviço Educativo do Museu Municipal, e das áreas do Turismo e da Intervenção Social. 
Este protocolo reconhece o interesse público municipal do museu e estabelece as condições de acesso da comunidade ao referido equipamento cultural, nomeadamente, com ações didático-pedagógicas para o público escolar sem quaisquer custos para os visitantes ou acessos beneficiados, nomeadamente, no Dia Mundial da Criança e no Dia Internacional do Idoso, apesentando ainda descontos para os portadores do Cartão Municipal Idade Maior e do Palmela Tourist Card.
Inaugurado em outubro de 2016, o Museu da Música Mecânica  - instalado em Arraiados, na freguesia de Pinhal Novo – constitui a concretização de uma aspiração do seu proprietário, Luís Cangueiro, que remonta a 2005, quando o Município recebeu  a exposição “Sons para ver, ouvir e sentir – instrumentos de música mecânica”, na Igreja de Santiago, Castelo de Palmela, iniciativa que constituiu um êxito.
O edifício, da autoria de Miguel Marcelino, é um espaço inspirador e constitui um novo foco de interesse e orgulho por parte da comunidade. Além da coleção musical de qualidade internacional, com cerca de seis centenas  de objetos, integra, ainda, um auditório, sala de exposições, centro de documentação, loja e cafetaria.

“Março a Partir” 2017 Município apoia associações juvenis



A Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, na reunião pública descentralizada de 18 de janeiro, a atribuição de apoio financeiro, no valor global de 5 mil euros, ao projeto de juventude Março a Partir.
Através do apoio ao movimento associativo juvenil do concelho, o Município contribui efetivamente, para o desenvolvimento de uma atitude participativa, responsável e inovadora dos jovens na sua comunidade, proporcionando-lhes momentos importantes de aprendizagens formais e informais, contributos essenciais para o seu desenvolvimento pessoal e social.


Câmara apoia pintura do edifício da Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Pinhal Novo


A Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, na reunião pública descentralizada de dia 18 de janeiro, a proposta de um apoio financeiro no valor de 2.500 euros à ARPI, Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Pinhal Novo, para comparticipação nas despesas de manutenção do edifício daquela Instituição Particular de Solidariedade Social.
Constituída em 1993, esta IPSS - com trabalho reconhecido pela comunidade e uma dinâmica social local concertada e cooperante - presta apoio a 125 pessoas idosas na Freguesia de Pinhal Novo, com respostas de Centro de Dia, Centro de Convívio e Serviço de Apoio Domiciliário.



segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Torneio Municipal de Judo reúne Infantis e Iniciados


No dia 21 de janeiro, sábado, a partir das 9 horas, o Judo Clube de Pinhal Novo promove o Torneio Municipal de Infantis e Iniciados em Judo. A iniciativa decorre nas instalações do clube, com o apoio da Câmara Municipal de Palmela, no âmbito do Programa de Desenvolvimento da modalidade.
Criar hábitos de competição e introduzir, gradualmente, as/os jovens praticantes no contexto competitivo são os principais objetivos da prova, aberta a judocas nascidos entre 2005 e 2006 (não é exigida graduação mínima). Serão entregues medalhas aos três primeiros lugares.
As inscrições estão abertas até dia 18, junto do Judo Clube de Pinhal Novo (judopalmela93@gmail.com).

Auditório Municipal de Pinhal Novo apresenta filme infantil


O Auditório Municipal de Pinhal Novo apresenta, dia 22 de janeiro, às 16h00, o filme de animação “Arthur e os Minimeus”. Trata-se de uma produção franco americana de 2006, baseada no romance de Luc Besson, o célebre realizador de “Nikita” e o “Quinto Elemento”, entre outros filmes.
A entrada tem o valor de 2,33 euros por pessoa, com aquisição no local.


SINOPSE

     “Artur vive no campo com a avó. Apesar de se sentir abandonado pelos pais, que raramente o vão visitar, vive feliz no seu mundo de brincadeiras. Alfred, o pachorrento cão de guarda, é o seu companheiro inseparável. Mas um dia, a vida tranquila de Artur é abalada pela ameaça implacável de um homem poderoso, que quer ficar com a casa da avó. Sem quaisquer escrúpulos, consegue intimar a velha senhora a abandonar a casa em 48 horas, caso não consiga pagar uma antiga dívida.

     Mas há um tesouro, escondido algures no jardim, que os poderia salvar. No entanto, só o avô, que desapareceu misteriosamente há quase quatro anos, conhece o seu paradeiro. O nosso herói decide entrar em acção e sozinho, descobre um segredo fantástico que o pode conduzir ao avô - a "chave" para passar para o mundo dos Minineus - e parte para uma aventura inesquecível”.
Edições Asa


“A Batalha do Modesto Camelo Amarelo” inicía o ciclo de Bailes 2017


Os Bailes de Danças Tradicionais Europeias, promovidos por Leónia de Oliveira, com o apoio da Câmara Municipal de Palmela, abrem, este ano, no dia 22 de janeiro, às 16h00, na Biblioteca Municipal de Palmela, com “ A Batalha do Modesto Camelo Amarelo”.
Este projeto musical - um coletivo de quatro músicos, com vivências e experiências diferentes,  funde tradições sonoras do mundo – propõe uma viagem que parte de Portugal, com passagem pela França, Grécia, Estónia e Israel, entre outros países.

Manuel Amarelo – Trompete, Flautas, Voz
Miguel Batalha – Guitarra, Bandolim, Voz
Nuno Costa -  (Pi) – Percursões
Vicente Camelo – Concertina

Duração: 1h30
Lotação limitada ao espaço
Entrada: 4 euros



Votos de pesar pelo falecimento de Mário Soares sublinham vida de combate pela liberdade e democracia


A Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, na reunião pública realizada a 11 de janeiro, duas moções – uma apresentada pela maioria CDU, outra pela Vereadora e pelos Vereadores do Partido Socialista e pelo Vereador da Coligação Palmela Mais – a propósito do falecimento, a 7 de janeiro, de Mário Soares.
Em ambos os textos, se destacam momentos chave da vida do ex-Presidente da República, uma das figuras mais marcantes da política do século XX, sublinhando a luta constante pela liberdade e o papel determinante na construção da democracia portuguesa e da Europa.
Abaixo, seguem os textos das moções.

Voto de Pesar CDU
«Faleceu no passado dia 7 de Janeiro, aos 92 anos, o ex-Presidente da República Mário Soares.
Destacado opositor do regime fascista, Mário Alberto Nobre Lopes Soares destacou-se em muitos dos momentos-chave do combate contra a ditadura, tendo, entre outras ações, sido dirigente do Movimento de Unidade Democrática (MUD), membro das comissões das candidaturas do General Norton de Matos e do General Humberto Delgado à Presidência da República (em 1949 e 1958, respetivamente).
Como advogado, foi defensor de numerosos presos políticos, enfrentando o Tribunal Plenário e o Tribunal Militar, e representou a família do general Humberto Delgado na investigação do seu assassinato pela PIDE, sendo decisivo na denúncia do crime.
A sua atividade política levou-o à prisão mais de uma dezena de vezes - casando, aliás, no Aljube, com Maria Barroso, sua companheira de vida e de luta -, à deportação para S. Tomé, sem julgamento e, na década de 70, ao exílio forçado em França. Em 1973, funda, na Alemanha, o Partido Socialista, de que foi eleito sucessivamente secretário-geral, ao longo de 13 anos. 
Regressou a Portugal, após o 25 de Abril, a tempo de comemorar, ao lado de Álvaro Cunhal e de outros destacados combatentes antifascistas, o 1º de Maio de 1974, momento inesquecível de celebração da Liberdade. E teve, nos dias que se seguiram, como primeira missão, a deslocação, em representação da Junta de Salvação Nacional, às capitais europeias, no sentido de obter o reconhecimento diplomático do novo regime democrático.
Exerceu, entre outros cargos, o de ministro Sem Pasta, dos Negócios Estrangeiros, Primeiro-Ministro e Presidente da República, eleito, em 1986, à segunda volta, com o apoio de toda a esquerda portuguesa, e reeleito para novo mandato, que o manteve em exercício do cargo até 1996. Foi, ainda, deputado do Parlamento Europeu, entre 1999 e 2004.
A sua dimensão cultural, humana e europeísta, a frontalidade e coragem demonstradas, ao longo de uma vida de combates pela liberdade e a democracia, reservam-lhe um lugar na História nacional e mundial e na memória dos que combateram a ditadura fascista e lutaram pela instauração da Democracia.
Reunida em sessão pública, a 11 de Janeiro de 2017, a Câmara Municipal de Palmela expressa à família de Mário Soares, ao Partido Socialista, e aos seus companheiros que com ele partilharam lutas, vitórias e sonhos, o profundo pesar pelo seu desaparecimento físico.»


Voto de Pesar PS/ Coligação Palmela Mais

«Portugal ficou de luto, com a morte, no passado dia 7 de janeiro, de Mário Alberto Nobre Lopes Soares. Deu rosto, corpo e voz à Liberdade e à Democracia, ficando eternamente ligado ao 25 de Abril de 1974.
Mário Soares é, reconhecidamente, a figura política mais marcante do Século XX. Fundador do Partido Socialista, foi um estadista que se destacou na política nacional e internacional. Lutador antifascista, pugnou pelos ideais republicanos da Solidariedade, da Fraternidade e da Igualdade, com eles e por eles viveu a sua vida e influenciou a de todos nós.
Advogado de profissão, foi Primeiro-ministro, sendo responsável pela estabilização económica do País e pela concretização do desígnio estratégico de integração de Portugal na então CEE, hoje União Europeia. Apesar dos programas de ajustamento económico que teve de gerir, foi com os Governos de Mário Soares que se deram passos importantes na construção do nosso Estado Social, de que se destaca a criação do Serviço Nacional de Saúde.
Presidente da República eleito, primeiro, com o apoio de toda a Esquerda, soube ser o Presidente de todos e todas os/as portugueses/as.
Antes e depois do 25 de Abril, na resistência à ditadura e a todas as tentativas totalitárias, e até ao fim da sua vida, Mário Soares foi sempre um incansável combatente pela Liberdade e pela Democracia em Portugal, a sua voz mais reconhecível e reconhecida dentro e fora do nosso país.
O pensamento é sempre livre mesmo na reclusão forçada. Mas, Mário Soares fez do pensamento o prefácio da ação, impaciente por fazer e paciente pela vitória desse fazer. Como se a sua força tivesse vontade própria. Talvez por isso nos pareça que nunca se sacrificou, mesmo se foi perseguido, preso, deportado, exilado. Talvez porque ele era sempre vida, fosse na zanga, no confronto, na calma do debate ou na alegria surpreendente daquela gargalhada larga.
Mário Soares não viveu como um herói, não foi santo, não fez sozinho, não ganhou sempre, não acertou sempre, não morreu como mártir nem merece idolatria. Foi um homem corajoso e convicto, um lutador cívico, um político eleito pelo povo ao serviço do povo, um homem que merece reconhecimento e gratidão para sempre. Longe de ser consensual, sempre soube gerir desacordos.
Sobre todos e todas nós fica a imensa responsabilidade de saber estar permanentemente à altura do seu legado, garantindo que, se nos batermos pela Liberdade, nunca cederemos a qualquer forma de opressão. Sermos livres e democratas é um privilégio, lutarmos para que todos e todas sejam livres é a nossa missão.
Reunida a 11 de janeiro de 2017, em sessão pública, a Câmara Municipal de Palmela expressa o seu pesar pelo desaparecimento de Mário Soares à família, aos e às democratas. Saibamos honrar uma figura ímpar e inesquecível da História de Portugal, um combatente, um inconformado, um humanista, um Português de corpo inteiro.
Obrigado Mário Soares!»